Inquérito
Trabalho realizado pela FEPODABES
SATISFAZ BASTANTE
NÃO SATISFAZ
SATISFAZ
Notícia
Gabinetes dos Secretários de Estado Adjunto e da Saúde
24 de Janeiro de 2017
Despacho n.º 1081-A/2017
SAÚDE Gabinetes dos Secretários de Estado Adjunto e da Saúde e da Saúde Despacho n.º 1081-A/2017 Uma gestão operacional integrada e articulada relativamente ao plasma português resultante de colheitas de sangue pelo Instituto Português do Sangue e da Transplantação, I. P., (IPST, I. P.), e pelos Serviços de Sangue hospitalares, permite conhecer adequada e globalmente as quantidades disponíveis de matéria- prima e sua correspondência aos requisitos de qualidade e segurança exigíveis, de forma a responder às necessidades nacionais, assegurando -se assim a sua utilização eficiente, conseguindo- se, desta forma, alcançar a adequada suficiência nacional para utilização clínica, bem como contribuir para a suficiência tendencial de derivados do plasma. Considerando que o IPST, I. P., no âmbito das suas competências, assume como objetivo estratégico assegurar a autossuficiência em sangue e componentes, incluindo plasma inativado, e suficiência tendencial em derivados de plasma, obtidos em alinhamento com os padrões de qualidade e segurança europeus exigíveis. Tendo em conta os objetivos estratégicos e operacionais previstos no Programa Estratégico Nacional de Fracionamento de Plasma Humano 2015 -2019. Considerando que a gestão do plasma português, deve ser feita no estrito cumprimento dos princípios da transparência, concorrência e igualdade relativamente aos procedimentos que visem quer a obtenção de plasma inativado para transfusão, quer a produção de medicamentos derivados do plasma. Tendo em conta o Despacho n.º 15300 -A/2016, publicado no Diário da República, 2.ª série, em 20 dezembro, que no seu n.º 6 prevê a constituição de uma comissão externa para o acompanhamento do Programa Estratégico Nacional de Fracionamento de Plasma Humano 2015 -2019, a ser regulada por despacho a aprovar no prazo de 30 dias a contar da publicação do referido despacho, a apresentar pelo IPST, I. P. Assim, determino: 1 — É criada a Comissão Externa para o Acompanhamento do Programa Estratégico Nacional de Fracionamento de Plasma Humano 2015 -2019, adiante designada Comissão Externa. 2 — Compete à Comissão Externa: a) Acompanhar o cumprimento dos objetivos traçados no Programa Estratégico Nacional de Fracionamento de Plasma Humano 2015 -2019, doravante designado como Programa Estratégico; b) Acompanhar e monitorizar as iniciativas previstas no Programa Estratégico; c) Pronunciar- se sobre questões que se suscitem e recomendar estratégias de atuação no âmbito da execução do Programa Estratégico. 3 — A Comissão Externa tem a seguinte composição: a) Dra. Gracinda de Sousa, representante do IPST, I. P., que preside; b) Dr. José Alexandre Diniz, representante da Direção -Geral da Saúde; c) Dr. Ângelo Ferreira da Silva, representante do INFARMED — Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, I. P.; d) Dr. Francisco Ferro e Dra. Maria do Carmo Koch representantes dos hospitais com colheita de unidades de sangue, do Hospital de Évora e Centro Hospitalar S. João, respetivamente; e) Dr. Pedro Felizes representante da Administração Central do Sistema de Saúde, I. P.; f) Dra. Laura Raposo representante dos Serviços Partilhados do Ministério da Saúde, E. P. E.; g) Professor Doutor José Esteves Amaral representante de reconhecido mérito na área da biotecnologia; h) Professora Doutora Lucília Nunes representante de reconhecido mérito na área da Ética e das Ciências da Vida; i) Alberto Manuel G. Mota e Joaquim Mendes Silva representantes das Federações de Associações de Dadores FEPODABES e FAS — Portugal, respetivamente; j) Dr. Rui Pires e Dr. Carlos Horta e Costa representantes das associações de doentes Associação Portuguesa de Hemofilia e Outras Coagulopatias Congénitas (APH) e Associação Portuguesa Contra a Leucemia (APCL), respetivamente. 4 — A Comissão Externa elabora quadrimestralmente relatórios de monitorização dos quais dá conhecimento aos Gabinetes do Secretário de Estado Adjunto e da Saúde e do Secretário de Estado da Saúde. 5 — A Comissão Externa funciona no IPST, I. P., que assegurará todo o apoio necessário ao bom funcionamento e desenvolvimento dos trabalhos da Comissão. 6 — A colaboração dos membros desta Comissão fundamenta -se em motivo de interesse público e é a título não remunerado, sem prejuízo do reembolso das ajudas de custo, nos termos da lei geral. 7 — O presente despacho produz efeitos a partir da data da sua assinatura. 24 de janeiro de 2017. — O Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Manuel Ferreira Araújo. — O Secretário de Estado da Saúde, Manuel Martins dos Santos Delgado. 310207071
   
Estatísticas
Temos 530 visitantes online.
Visitas: 1.891.885
Calendário
Partilha